Decisão entre Cruzeiro e Taubaté coloca velhos conhecidos frente a frente

Mineiros e paulistas se enfrentam no domingo, às 10h, no Mineirinho

Divulgação / Cruzeiro

Fora das quadras, amigos. Dentro delas, adversários. Assim, o levantador William e o ponteiro Filipe, do Cruzeiro, falam da relação com o oposto Wallace e o central Éder, do Taubaté. Após atuarem juntos e conquistarem títulos pela Raposa, eles irão se enfrentar no domingo, às 10h, no Mineirinho, pela grande final da Superliga Masculina.

Após sete anos e um tetracampeonato de Superliga, Wallace trocou o Cruzeiro pelo Taubaté por necessidade. Isso porque a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) estabelece um ranking desde 1992, determinando a pontuação de cada atleta, variando entre um e sete pontos. Assim, os clubes não podem formar pontos que sejam superiores a 40 pontos. Desta forma, o oposto trocou Minas Gerais pelo interior paulista. Agora, o jogador terá a missão de conquistar o primeiro título da equipe do Vale do Paraíba no Mineirinho, palco de várias conquistas no passado.

“Uma sensação louca. Cruzeiro é um clube que defendi por muitos anos, tenho um enorme respeito por eles, gosto de todos que estão envolvidos ali. Óbvio que agora as coisas mudaram. O jogo virou. Mas não deixo de ter o respeito que tenho por eles, só que dentro de quadra a amizade fica de lado. Assim que acabar o jogo, voltamos a ser amigos – tenho muitos ali, por sinal”, disse Wallace.

Um dos jogadores que mais sentiram a saída de Wallace foi o levantador William. O capitão do Cruzeiro atuou ao lado do oposto no início da série de conquistas da Raposa. O entrosamento em quadra se transformou em amizade fora dela. “Wallace é um amigo que o vôlei me deu. Disputamos muita coisa juntos. A amizade se tornou mais forte e natural a medida em que fomos conquistando títulos juntos. Além de nos respeitarmos muito como atletas, somos grandes amigos, falamos bastante fora da quadra. Tenho uma admiração enorme por ele. É um cara do bem, um cara fácil de se gostar. É difícil jogar contra. Ele é um craque”, declarou o camisa 7 celeste.

Wallace é o maior pontuador desta edição da Superliga, com 524 pontos. Perguntado como parar o oposto, William brincou com a situação: “Só trancando no quarto do hotel”. Se os jogadores do Cruzeiro esperam dificuldade diante, o mesmo também espera Wallace. Para o jogador do Taubaté, o fato de o elenco conhecê-lo bem, faz com o que ele tenha que usar a criatividade para atacar e superar a defesa adversária.

“William é meu irmão, está no meu coração. Brincadeiras à parte, eles me conhecem muito bem, então não devem ter dificuldades em me marcar. Eu é que vou ter que me virar e fazer algumas coisas diferentes para que eu possa ajudar no ataque, que é meu principal fundamento, além do saque, que é um belo cartão de entrada. Se sacarmos bem, podemos surpreende-los”, observou o oposto.

Reprodução

Quem também teve a oportunidade de conviver longo tempo com Wallace foi o ponteiro Filipe, que destacou a amizade com o oposto fora das quadras. “Temos uma parceria, uma amizade muito forte que adquirimos durante esses anos todos que jogamos juntos aqui no Cruzeiro e realmente é um cara que para onde vai conquista amizades. É um cara muito amigo, parceiro, mas agora estamos em lados opostos. Será um jogo difícil. Mas que vença o melhor”, colocou.

Do quarteto, Éder foi o atleta que chegou por último no Cruzeiro, na temporada 2013/14. Pouco tempo, em relação aos demais, porém, intenso. O central do Taubaté conquistou três Superligas pelo Cruzeiro – a sétima na carreira -, além de Mundiais e campeonatos estaduais. O jogador também destacou a amizade com os antigos companheiros fora de quadra, mas deixou claro: dentro dela, inimigos mortais.

Divulgação/FIVB

“Foram três excelentes anos aqui, tenho amizade com todos os jogadores, com a comissão técnica, estive reencontrando todos nesses dias. Tenho um carinho e respeito muito grande com todo mundo. Lógico, a partir do momento que o árbitro apitar no domingo, viramos inimigos. Mas é só durante o jogo. Fora de quadra tenho um relacionamento bom com todos”, falou.

No domingo, William e Filipe irão disputar a sétima final consecutiva de Superliga pelo Cruzeiro, visando o pentacampeonato nacional. Já Éder e Wallace encaram a primeira final da história do Taubaté. A dupla pretende fazer história em solo mineiro, diante do ex-clube, garantindo o título inédito para a equipe do Vale do Paraíba.

 

Fonte: Superesportes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: