DIVERGÊNCIAS

Ao contrário do Brasil, EUA recomenda 2° dose contra Febre Amarela

EUA diz que, para algumas pessoas, uma segunda dose é recomendável.

Desde o ano de 2013 que a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a dispensar o reforço da vacina da febre amarela a cada 10 anos, medida que foi seguida pelo Brasil em abril de 2017 após o surto atual. Porém, o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos chegou a uma conclusão um pouco divergente após também revisar estudos sobre o assunto: para a entidade, embora a vacina proteja por um longo prazo, não dá para dizer nesse momento que a proteção é para a vida inteira em todos os grupos, principalmente naqueles com condições que atrapalhariam a eficácia prolongada da vacina, como soropositivos para o HIV.

Um outro grupo específico de pessoas, que seria candidatas  ao reforço da vacina, conforme o CDC, são os turistas que pretendem viajar para áreas com transmissão ativa da doença, por exemplo, como o sudeste brasileiro atualmente. Por esse entendimento, os Estados Unidos atualizaram suas recomendações para o Brasil com a indicação de que residentes norte-americanos com destino ao país considerem tomar a vacina novamente (se passado o prazo de 10 anos, como era anteriormente). “Uma segunda dose deve ser considerada para aqueles viajantes expostos a maior risco. Isso vai depender da localização, das atividades e da duração da viagem”, explicou o CDC.

No Brasil

Por meio de nota, o Ministério da Saúde comunica que só passou a recomendar dose única após diretriz da Organização Mundial da Saúde e da análise de estudos científicos que comprovaram a eficácia da vacina durante toda a vida do indivíduo.

 (Crédito: Reprodução)
(Crédito: Reprodução)

O Brasil, continua a recomendação de dose única para a vida inteira para todos, sem distinção da condição e da área em que se encontram,  o que está em conformidade com a OMS.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Com informações do G1

%d blogueiros gostam disto: