Brasília: Palco de atos contra e a favor de Bolsonaro

Protestos contra e a favor ao presidente Jair Bolsonaro foram realizados neste domingo (7) em Brasília (DF).

Os manifestantes contra o presidente se concentraram, às 8h30, na Biblioteca Nacional, próxima à rodoviária do Plano Piloto e  caminharam até a Praça dos Três Poderes. Por volta das 11 horas, os participantes foram em direção de volta à rodoviária, onde estava programado o fim do ato.

O grupo contra o governo gritou palavras de ordem como: “nenhum passo atrás, ditadura nunca mais”.

Também estão marcados atos pela democracia e contra o governo em várias capitais brasileiras.Em pelo duas outras capitais, São Paulo e Rio de Janeiro, há expectativa de atos a favor do presidente.

As principais pautas das manifestações pela democracia são  a luta contra o racismo, fascismo e a favor das instituições. Os partidos de oposição ao governo de Jair Bolsonaro se dividem sobre o apoio de protestos, que causam aglomerações, durante a pandemia do coronavírus. O PT divulgou nota apoiando os atos, mas senadores do PSB, PDT, Rede, PSD e Cidadania se manifestaram contra.

Em Brasília, os manifestantes dos dois grupos foram separados por um espaço de cerca de 100 metros. A Polícia Militar acompanhou os atos e fez um cordão de isolamento.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, participou do ato a favor do governo. Ele afirmou não estar preocupado com possibilidade de confronto entre os dois grupos.

O ministro se deslocou do espaço destinado ao protesto bolsonarista e foi cumprimentar os policiais militares. O gesto de Heleno provocou insatisfação de críticos do governo e o general se afastou dos policiais e foi de volta para o lado dos manifestantes favoráveis.

Os atos aconteceram em sua maior parte de maneira pacífica. Houve um princípio de tumulto entre os dois protestos, mas a discussão foi apenas verbal, sem violência física.

O ato contra o governo foi organizado pelo grupo Antifas, abreviação do termo antifascista.  Apesar de contar com a participação de integrantes de torcidas organizadas, como a do Corinthians, Gaviões da Fiel, os organizadores dizem que os atos não são organizados institucionalmente pelas torcidas.

“Ressaltamos que este não é um ato institucional convocado pelas instituições de Torcidas Organizadas, mas sim de integrantes e torcidas ‘Antifas’. Os membros têm entrado nesta luta sendo protagonistas destas ações antidemocráticas”, diz comunicado do grupo.

Já os atos a favor do governo foram organizados pelo grupo bolsonarista “300 do Brasil”, que tem organizado manifestações nos últimos domingos.

Os organizadores do ato  contra Bolsonaro disseram, por meio de nota à imprensa, que fazem reuniões com o secretário estadual de Segurança Pública do DF, Anderson Torres, para combinar a segurança dos atos.

Phbcity.com