Funeral de general iraniano

Durante a procissão com os caixões de Qassem Soleiman e do líder da milícia Abu Mehdi Al Muhandis a multidão gritou ‘morte à América!’.

 

O militar, chefe da Guarda Revolucionária do Irã, foi morto na quinta-feira (2), após um ataque aéreo dos Estados Unidos, ação que aumentou a tensão no Orienta Médio.

Milhares de iraquianos acompanham o funeral e velório do general Qassem Soleiman neste sábado (4) em Bagdá, no Iraque.

Durante a procissão, que também carrega o caixão do líder da milícia Abu Mehdi Al Muhandis, morto na mesma operação norte-americana, a multidão gritou “morte à América!”.

A procissão deixou Kadhimiya, um distrito xiita de Bagdá, em direção à Zona Verde, onde há prédios e embaixadas do governo e onde o funeral oficial será realizado.

Vários países da Europa emitem alerta para cidadãos que vivem no Oriente Médio

Vários países da Europa emitem alerta para cidadãos que vivem no Oriente Médio

O primeiro-ministro iraquiano Adel Abdel Mahdi participou do funeral. Também estiveram presentes Hadi Al Ameri, chefe das forças pró-Irã no parlamento iraquiano; o ex-primeiro-ministro Nuri Al Maliki e vários chefes de facções xiitas.

Novo chefe militar

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, nomeou um novo comandante da Guarda Revolucionária após a morte de Qassem Soleimani. O chefe da unidade especial agora é o major-general Esmail Qaani.

“Após o martírio do glorioso general Qassem Soleimani, nomeio o brigadeiro-general Esmail Qaani comandante da força Al-Qods”, declarou Khamenei em comunicado publicado em seu site oficial. “Qaani serviu por anos ao lado de Soleimani. Tem sido um dos comandantes mais importantes da Defesa Sagrada e serviu com o comandante mártir por muitos anos”, acrescentou.

Países do Oriente Médio se manifestam contra os EUA

Países do Oriente Médio se manifestam contra os EUA

Trump diz que mandou matar general iraniano para ‘parar guerra, não para começar uma’

Presidente americano falou em público pela 1ª vez sobre o bombardeio em Bagdá e afirmou que não deseja uma mudança de governo no Irã.

“Atuamos ontem à noite para parar uma guerra, não tomamos medidas para iniciar uma guerra”, afirmou Trump em seu primeiro pronunciamento público sobre a morte de Soleimani.

“Não procuramos mudanças de regime [no Irã]”, disse o presidente americano, que falou em seu resort em Mar-a-Lago, na Flórida. “No entanto, a agressão do regime iraniano na região, incluindo o uso de pessoas para desestabilizar seus vizinhos, deve terminar agora”, completou.

Fonte: G1

Portal Phbcity.com

%d blogueiros gostam disto: