Justiça concede prisão domiciliar para Roger Abdelmassih

Ex-médico deve usar tornozeleira eletrônica e entregar seu passaporte

A Justiça do Estado de São Paulo aceitou o pedido de prisão domiciliar feito pelo ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão pelo estupro de pacientes de sua clínica de reprodução assistida. De acordo com a decisão da 1ª Vara das execuções Criminais de Taubaté, para ter direito a deixar a cadeira, Abdelmassih deve permanecer em sua casa durante todo o dia e a noite, exceto para tratamento médico e hospitalar, comunicar a Justiça sobre eventual alteração de endereço, não se ausentar do País ou do município sem autorização prévia da Justiça, usar tornozeleira eletrônica, passar por perícia médica a cada três meses, entregar seu passaporte, caso já não tenha feito, no prazo de 24 horas.

A decisão foi assinada pela juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani nesta quarta-feira (21). De acordo com o texto, o pedido de Abdelmassih foi fundamentado em sua idade avançada e nos “graves problemas de saúde” que sofre. Segundo o texto, a defesa do ex-médico “acrescenta que seu quadro demanda cuidados contínuos, os quais a Administração Prisional não tem condições de oferecer”.

Além do pedido de prisão domiciliar, o ex-médico também soliciou indulto humanitário. O pedido foi recusado pela juíza.

Abdelmassih foi preso no dia 19 de agosto de 2014, no Paraguai. A prisão foi feita por agentes paraguaios da Secretaria Nacional Antidrogas, com apoio da Polícia Federal. Ele era procurado no Brasil, depois de ter sido denunciado por pacientes de cometer estupro em sua clínica de fertilização em São Paulo, entre os anos de 1995 e 2008.

O médico, que era considerado um dos principais especialistas em fertilização no Brasil, foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo por crimes de estupro praticados contra 56 mulheres. Ele teve o registro profissional cassado em agosto de 2009.

Apesar da condenação, em novembro de 2010, o médico não foi preso imediatamente em virtude de um habeas corpus concedido pelo então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, em 2009. Em fevereiro de 2011, porém, o habeas corpus foi cassado pelo próprio STF.

Nessa época, porém, Abdelmassih já era considerado foragido da Justiça. Em janeiro de 2011, nova prisão foi decretada pela 16ª Vara Criminal da capital, baseada na solicitação de renovação do passaporte do próprio médico, o que configurava risco de fuga. Ele, no entanto, conseguiu fugir do país e passou a constar na lista de criminosos procurados pela Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal).

Fonte: R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *