Sinais da falta de vitamina D

Fios quebrados, envelhecimento: veja sinais da falta de vitamina D

A falta desse item no organismo ainda traz outras complicações para a pele.

Nesses tempos de pandemia, muito tem se falado de vitamina D e seus benefícios para o sistema imunológico . Mas além disso, esse elemento auxilia na absorção de cálcio, tem papel importante no equilíbrio do açúcar no sangue e também é fundamental quando o assunto é saúde da pele e dos cabelos.

Portanto, se você tá sentindo os cabelos mais quebradiços e pele diferente, pode ser falta de vitamina D e é hora de tomar mais sol.

Segundo a dermatologista Fabiana Seidl, a vitamina é fundamental, por exemplo, para “combater o envelhecimento da pele, pois auxilia na  renovação das células, agindo como antioxidante diminuindo a quantidade de radicais livres, e tem efeito anti-inflamatório”.

A  falta desse item no organismo ainda traz outras complicações para a pele, como o aumento de lesões de dermatites atópicas, rosácea e psoríase. De acordo com a dermatologista, a vitamina, por influenciar na parte imunológica, ajuda a manter íntegras as barreiras da pele. Por isso, é indicado seguir tomando sol ou mesmo buscar uma suplementação quando necessário, segundo Fabiana. 

No caso dos cabelos, a também dermatologista Veridiana Abud ressalta que a vitamina D em doses adequadas ajuda na manutenção estrutura capilar e atua contra a queda de cabelo. Portanto, se está sofrendo de uma queda acentuada ou se notou os fios mais quebradiços, pode ser sinal de deficiência desse elemento, como comenta Fabiana. 

Mais vitamina D, por favor!

Fala-se tanto de sol e vitamina D porque é a exposição solar da pele que faz com que ocorra a ativação desse nutriente no organismo. Portanto, mesmo em casa, tente tomar sol e lembre-se de deixar os vidros das janelas aberto e não usar protetor solar para que os raios UVB atinjam a pele diretamente e aí aconteça a síntese da vitamina. 

Segundo Veridiana, o tempo ideal de exposição varia de acordo com a cor da pele. Ela aponta que pessoas de pele clara devem ficar no sol por 15 minutos, já para pessoas com pele morena ou negra, o recomendado é ficar pelo menos 1 hora exposta à luz solar.

“O ideal é que a exposição aconteça entre as 10h e 15h por 3 a 4 vezes na semana. A exposição dos braços e pernas ao sol é o suficiente. Mas cuidado: o horário ideal de exposição ao sol para ativação da vitamina D é também o horário de maior risco ao desenvolvimento de câncer de pele”, afirma Veridiana.

A dieta balanceada também pode ajudar quando se fala de vitamina D. “Ela pode ser encontrada em alimentos como peixes gordurosos, óleo de fígado de bacalhau, cogumelos secos, ovos, leite e derivados. Porém a ativação ocorre com a exposição solar da pele”, diz a dermatologista.